Renda Fixa: O que são os Investimentos de baixo risco

Atualizado: Jun 23

Renda fixa é qualquer tipo de investimento que possui regras de remuneração definidas no momento da aplicação no título. Essas regras estipulam o prazo e a forma que a remuneração será calculada e paga ao investidor.


Nesse tipo de investimento, o investidor concede um empréstimo a uma entidade em troca do pagamento de juros. Dessa forma, a entidade se compromete a devolver o dinheiro emprestado acrescido de juros após um período preestabelecido.


Mas antes vamos entender alguns conceitos. Já sabemos que quando você aplica em renda fixa você empresta o seu dinheiro a uma entidade e em troca o recebe de volta acrescido de uma taxa de juros, essa taxa pode ser:

TAXA PRÉ-FIXADA:


É uma taxa informada no momento em que você contrata a aplicação, sabendo antecipadamente a sua remuneração ao final do período.


Por exemplo, você contrata um investimento a uma taxa pré-fixada de 5% ao ano, para uma aplicação com prazo de 1 ano. Quer dizer que, independente do que aconteça, no resgate da aplicação após 1 ano você receberá essa taxa de 5%. (Pode variar caso você resgate antecipadamente).


Títulos pré-fixados se beneficiam em um cenário de baixa na taxa de juros.


TAXA PÓS-FIXADA:


A taxa pós-fixada acompanha algum índice para remunerar sua aplicação, em geral o CDI ou o IPCA.


Por exemplo, você contrata um investimento que remunera 100% do CDI com vencimento em 1 ano, o seu investimento vai acompanhar toda a oscilação do índice ao longo do ano, que pode variar, dependendo da decisão de mudança na taxa SELIC tomada pelo COPOM.


Títulos pós-fixados se beneficiam em um cenário de alta na taxa de juros.


TAXA HÍBRIDA:


A taxa de juros híbrida é aquela que mescla uma taxa prefixada, mais um índice de referência. É geralmente expressa da seguinte forma: 5% + IPCA (indicador de inflação).


No momento em que for escolher a sua aplicação, tenha muita atenção se a taxa é pré-fixada ou pós-fixada. Os títulos pré-fixados apresentam um pouco mais de risco, principalmente em cenários de alta na taxa de juros SELIC. Outro detalhe importante que deve ser observado antes da compra de um título, é quanto ao prazo de carência. É importante analisar a possibilidade de resgate antecipado, principalmente se esse investimento for uma reserva de emergência.

Fundo Garantidor de Crédito (FGC)


O FGC é uma entidade privada e sem fins lucrativos, que administra mecanismos de proteção ao investidor contra possíveis problemas financeiros das instituições financeiras. Ele garante até R$ 250.000,00 de seguro por CPF caso a entidade venha quebrar.


Vamos a um exemplo prático:


Você aplicou R$ 300.000,00 em um CDB do Banco X, o banco quebrou, faliu (que Deus nos livre). O Fundo FGC será acionado e você receberá R$ 250.000,00 como seguro. Porém, o risco de um banco quebrar é muito, muito baixo.

Já entendemos que quando você investe em Renda Fixa você está emprestando dinheiro a uma entidade e ela te devolve esse valor no futuro a uma taxa de juros, sabemos que essa taxa pode ser pré-fixada (fixa) ou pós-fixada (acompanha um indicador), ou híbrida (ambos), e também sabemos que existe um fundo que garante até R$ 250.000,00 por CPF caso a entidade venha quebrar (FGC). Agora vamos entender os tipos de investimentos:

CDB (Certificado de Depósito Bancário)


É um título que o banco emite para captar dinheiro e financiar as suas atividades. Ao comprar CDB você está investindo no Banco que o emitiu. O CDB é uma categoria de investimento muito popular, você pode investir diretamente pelo seu banco ou corretoras.


LCI e LCA (Letras de Crédito imobiliário e Letra de Crédito do Agronegócio).


A LCI é um título que o banco emite para captar dinheiro e financiar o setor imobiliário. Ao comprar uma LCI você está investindo no setor imobiliário.


A LCA é um título que o banco emite para captar dinheiro para financiar o produtor rural ou cooperativas relacionadas ao agronegócio. Ao comprar uma LCA você está investindo no agronegócio. Tanto a LCI quanto a LCA são disponibilizadas para investimento nos bancos e corretoras.


Uma das grandes vantagens ao aplicar em LCI e LCA é que os rendimentos são isentos de imposto de renda, um incentivo devido à grande importância desses dois setores para a economia.


Tesouro Direto (títulos públicos)


São títulos emitidos pelo governo para financiar as obras públicas, desenvolvimento do país, pagamento de dívida, etc... Ao comprar um título do tesouro você está investindo no país. O tesouro é considerado um investimento livre de risco, por ser garantido pelo governo. Os títulos públicos podem ser encontrados facilmente em bancos e corretoras.


Debênture (incentivadas)


Debênture é um título de dívida emitido por empresas não financeiras, assim o investidor se torna um credor da empresa em questão e recebe juros como remuneração no vencimento. Prefira as debêntures incentivadas, elas são isentas de Imposto de Renda. As debêntures incentivadas são emitidas por empresas de infraestrutura, áreas que o governo precisa desenvolver e oferece esse incentivo.


Obs. As Debentures não são garantidos pelo FGC (Fundo garantidor de crédito).


Fundos de Renda Fixa


Os fundos de renda fixa são os menos arriscados na indústria de fundos, eles investem no mínimo 80% do seu patrimônio líquido em renda fixa. Um fundo de investimento é uma forma de aplicação financeira, formada pela união de vários investidores que se juntam e formam um espécie de condomínio. Os fundos de renda fixa são facilmente encontrados nos bancos e corretoras.


Obs. Os Fundos de Investimentos não são garantidos pelo FGC (Fundo garantidor de crédito).


Tributação.


A tributação na renda fixa acontece na fonte, de forma automática no momento do resgate, e você não precisa se preocupar, os bancos e corretoras fazem isso para você. Caso precise resgatar os seus investimentos, o valor líquido cairá diretamente em sua conta. Sua tributação é em função do prazo e cobrada “somente” sobre os rendimentos.


Segue tabela regressiva de acordo com o tempo de aplicação:


  • 22,50% - Para 6 meses;

  • 20,00% - Entre 6 e 12 meses;

  • 17,50% - Após 12 e até 24 meses;

  • 15,00% - Após 24 meses;

Meu conselho é: se você não quer correr risco, tenha GRANDE parte dos seus investimentos em renda fixa, isso se chama segurança. Mas se você tem perfil agressivo e quer correr risco, tenha uma PEQUENA parte na renda fixa. Isso se chama diversificação.


Boa sorte! =)

12 visualizações

©2020 por PR7 Investidor.