Dólar: Invista na moeda mais poderosa do planeta

Atualizado: Jun 23

Nesse artigo vamos entender a moeda americana, falar sobre as alternativas de investimentos, entender seus movimentos de alta e baixa e sua relação com acontecimentos econômicos. Conhecendo seus movimentos seremos mais assertivos na tomada de decisão.



Primeiro vamos entender as classificações do dólar

Dólar Comercial


O dólar comercial é relacionado ao mercado internacional e as movimentações comerciais entre empresas. Ele costuma ser mais barato justamente pelo volume das transações.

Dólar Turismo


O dólar turismo é a moeda física, utilizada em viagens e encontrada nas correspondentes cambiais. Ele costuma ser mais caro do que o dólar comercial pois é composto pelo lucro do agente de câmbio, custos da importação do dinheiro e o acréscimo do IOF.

Dólar Paralelo


O dólar paralelo é encontrado no mercado clandestino e, por conta da falta de regularização de seus negociantes com o Banco central é considerado ilegal. O preço costuma variar para mais ou para menos. Sendo honesto, é mais barato, porém mais arriscado.

Quando você escuta no noticiário que o dólar fechou em alta de 1% e está cotado a R$ 5,50 estamos falando do Dólar Comercial, e R$ 5,50 é a taxa de câmbio, ou seja, precisamos de R$ 5,50 reais para comprar 1 dólar.

Taxa de Câmbio


É o preço de uma moeda estrangeira em unidades da moeda nacional. No caso do Brasil, o real. A taxa de câmbio reflete o custo de uma moeda em relação à outra.

Levando em consideração aplicar em dólar, é importante conhecer a Política Cambial aplicada no Brasil.

Política Cambial Flutuante Suja.


O câmbio flutuante consiste no livre mercado, e seu preço é definido pela lei da oferta e procura, ou seja, se as pessoas estão procurando dólar ele aumenta de preço, se estão ofertando dólar o seu preço cai. Porém, quando o valor do dólar atinge uma alta muito brusca, o Banco Central entra com a flutuação suja, intervindo pontualmente, vendendo grandes quantidades de suas reservas para reduzir o seu preço.

Entenda porque o Dólar oscila.


Entenda agora o que determina a desproporção entre oferta e procura, provocando, por consequência, os altos e baixos na moeda americana.

Déficit e superávit comercial


Quando o Brasil apresenta superávit na balança comercial, ou seja, aumento das exportações, consequentemente recebe mais pagamentos em dólar, que por sua vez passa a circular em abundância, ocasionando queda do dólar perante o real.


Por outro lado, quando o Brasil apresenta déficit na balança comercial, ou seja, aumento das importações, consequentemente precisará de dólares para pagar os produtos importados, provocando aumento na procura pela moeda americana. A escassez do dólar em circulação resulta no seu aumento de preço em relação ao real.


Influência do turismo


O turismo também é um fator de grande influência no preço do dólar.

Quando o número de turistas internacionais no Brasil aumenta, o dólar passa a circular em abundância, ocasionando queda em relação ao real.


Por outro lado, quando mais brasileiros é que passam a fazer viagens internacionais, a procura por dólar aumenta, a escassez do dólar resulta no aumento de preço em relação ao real.


Aumento ou redução da taxa de juros


A taxa de juros é um grande influenciador no preço do dólar.


Quando o COPOM aumenta a taxa básica de juros, o interesse dos investidores estrangeiros no Brasil aumenta, motivados por altos ganhos na renda fixa. Esse movimento de entrada de capital estrangeiro faz o preço do dólar cair em relação ao real.

Quando o COPOM reduz a taxa básica de juros, o Brasil deixa de ser atrativo para os investidores estrangeiros, que migram seus investimentos para países desenvolvidos. A fuga de capital estrangeiro afeta diretamente o valor do dólar no Brasil, resultando no aumento de preço do dólar em relação ao real.


Risco-país


O Risco-país é um indicador utilizado para orientar os investidores estrangeiros a respeito da situação financeira de um mercado emergente.


Quando o risco-país aumenta, motivado por incerteza política ou instabilidade econômica, o Brasil deixa de ser um investimento atrativo para os estrangeiros, devido ao risco de calote. Com menos entrada de dólar, e fuga do capital estrangeiro, o preço do dólar aumenta em relação ao real.


Posicionamento do Presidente do Banco Central ou autoridades econômicas.


Quando o Ministro Paulo Guedes dá uma entrevista e fala que é normal o câmbio desvalorizado, ou seja, Dólar fortalecido perante o Real, os investidores iniciam um comportamento manada e começam a comprar dólar, elevando mais ainda seu preço.


Por outro lado quando o presidente do Banco Central, Campos Neto anuncia que vai intervir vendendo dólares se o mesmo chegar a patamares elevados, os investidores iniciam um efeito manada vendendo dólares, movimento que reduz seu preço no mercado.

"O câmbio foi criado por Deus para humilhar os economistas. Nunca se sabe para onde ele vai." Edmar Bacha.

Tentar prever a direção do cambio é uma tarefa muito difícil, e por ser um investimento de alta volatilidade, o ideal é alocar apenas uma parte dos recursos em investimentos atrelados ao dólar, usando uma estratégia de proteção. Agora se você é agressivo e gosta de fortes emoções, vá fundo!


Investir em dólar em momentos de crise.


Em momentos de crise política ou instabilidade financeira, o dólar passa a ser usado como reserva de valor. Nesse momento os investidores vendem suas ações, resgatam seus investimentos, e passam a comprar dólar em espécie ou aplicar em ativos atrelados à moeda americana, com esse movimento o preço do dólar passa a operar em alta. Dica: tenha sempre uma parte dos seus investimentos atrelados ao dólar como hedge(proteção), e aumente sua posição em momentos de crise.


Como investir diretamente ou indiretamente em Dólar.


  • Aplicar em Fundos Cambiais de Dólar: esses fundos têm uma ótima correlação com a PTAX (Ptax é uma taxa de câmbio calculada durante o dia pelo Banco Central do Brasil). Ao aplicar em fundos você conta com uma Gestão Profissional dos seus investimentos.


  • Comprar dólar em espécie: com o objetivo de vendê-los com possível valorização ou garantir seu poder de compra. Nesse caso o investidor precisa procurar bancos ou casas de câmbio, porém já sabemos que o dólar turismo (físico) é mais caro para comprar e mais barato para vender, se comparado ao dólar comercial.


  • Comprar ações de empresas que se beneficiam com uma alta do dólar: basicamente são aquelas que têm como principal atividade a exportação. Além disso, outra característica comum é a receita dolarizada e os custos em reais.

Exemplo: JBS (JBSS3) e Marfrig (MRFG3) que possuem mais da metade das suas operações nos EUA.


  • Mercado Futuro de Dólar: O dólar futuro é uma commoditie financeira negociada na bolsa de valores. Ele consiste em um contrato de compra ou venda da moeda norte-americana por preço e datas definidas no momento da compra. Na expectativa de alta você vai operar comprado em dólar (mercado de alto risco que pode proporcionar alto retorno).


  • Criptomoeda TrueUSD: baseada na tecnologia do Ethereum. A TrueUSD tem a sua cotação pareada 1 para 1 em Dólar, legalmente protegida, transparentemente e verificada por confirmações na Blockchain do Ethereum. Especialmente para os apaixonados por criptomoedas como eu. Ao comprar TrueUSD você está na expectativa de alta do dólar.

“Nesse mundo capitalista quase tudo é real, o que não for, é Dólar, Euro ou qualquer outra moeda de câmbio” Leandro Medeiros.


Boa sorte! =)


7 visualizações

©2020 por PR7 Investidor.